sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Plenário adia para próxima terça votação de pacote anticorrupção

Proposta começou a ser discutida, mas deputados pediram tempo para analisar o texto e houve questionamentos sobre uma suposta anistia a caixa dois eleitoral
Rodrigo Maia defendeu mais discussão sobre a proposta: "não há anistia de um crime que não existe" (Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados)

Os deputados começaram a discutir em Plenário, nesta quinta-feira, o projeto de lei com medidas contra a corrupção (PL 4850/16), aprovado pela comissão especial na madrugada. Um requerimento de urgência aprovado incluiu a matéria na Ordem do Dia, mas a votação não avançou. 


Deputados pediram mais tempo e criticaram informações sobre possíveis acordos para incluir no texto uma anistia ao caixa dois eleitoral.

cordo e ressaltou que não há anistia negociada. 
“Vamos acabar com essa discussão de anistia, não há anistia de um crime que não existe. É só um jogo de palavras para enfraquecer e desmoralizar o Parlamento”, disse. 


Maia também disse que o Plenário pode decidir sobre o que quiser.

“O Plenário tem independência para votar todas as matérias, para aprovar qualquer texto, para rejeitar qualquer texto e ninguém pode se sentir prejudicado por esta decisão soberana”, disse.

Tempo para debate
O relator da proposta, deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), disse que os deputados precisam de tempo para analisar a proposta aprovada na madrugada, que altera cerca de 30 leis.

Para o relator Onyx Lorenzoni, "é preciso respeitar os 2,4 milhões de brasileiros que deram aval ao projeto" (Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados).

Passarinho (PSD-PA) pediu calma aos deputados na análise da proposta. “Não é possível que o Parlamento brasileiro ache que pode tratar uma proposta desta envergadura sem prudência e sem respeitar os 2,4 milhões de brasileiros que emprestaram a sua assinatura e seu aval a esse projeto”, afirmou.


Presidente da comissão especial que analisou as medidas contra a corrupção, o deputado Joaquim 



“Precisamos sentar, ver quais as dificuldades. É preciso se desarmar. Com bom senso, tenho certeza de que poderemos produzir uma coisa melhor. E se esticar a corda, todos perdem”, afirmou.


 Agência Câmara NotíciaS
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © O Jornal Da Serra | Powered by Blogger Design by ronangelo | Blogger Template Mais Template